Quarta-feira, Maio 09, 2012

Alexander Liberman - Alberto & Annette Giacometti, ca. 1950-222
Foto de Alexander Liberman: Alberto e Annette Giacometti, ca. 1950)


No Ateliê de Giacometti


Retorno uma vez mais às mulheres, agora em bronze (geralmente
dourado e patinado): o espaço vibra em torno delas. Nada mais está em
repouso. Talvez porque cada ângulo (feito com o polegar de Giacometti
quando trabalhava a argila), curva, saliência, crista ou ponta arranhada
do metal não estejam eles próprios em repouso. Cada uma delas continua
emitir a senbilidade que os criou. Nenhuma ponta ou aresta que recorta e
rasga o espaço está morta.

No entanto, as costas dessas mulheres são talvez mais humanas que o rosto
delas. A nuca, os ombros, a reentrância dos rins, as nádegas, parecem ter sido
modelados mais “amorosamente” que o rosto. Visto de três quartos esse vaivém
da mulher à deusa é talvez o que há de mais pertubador. A emoção é algumas
vezes insuportável.

Pois eu não conseguiria deixar de retornar a esse povo de sentinelas douradas —
e algumas vezes pintadas — que, erguidas, imóveis, velam.

Ao lado delas, como as estátuas de Rodin ou de Maillol estão prestes a arrotar
e em seguida dormir!

Jean Genet in O Atelier de Giacometti. São Paulo: Cosac & Naif, 2003
(excertos)
Tradução: Célia Euvaldo ズ


“O chão do quarto dele e de Annette é coberto de graciosos ladrilhos
vermelhos. Antes, era de terra batida. Chovia no quarto. Foi com o coração
partido que se resignou aos ladrilhos. São bonitos, mas simples. Conta que
nunca terá outra casa a não ser esse ateliê e o quarto. Gostaria que se
possível, fossem ainda mais modestos.” Jean Genet, na obra supracitada,

por aly . 10:10 AM .

Quinta-feira, Abril 12, 2012

CHORO-NEM-VELA
Foto por Pierre Debucy: ‘Mulher aos Prantos’: Genève, 1910


— M. Mallarmé, ne pleurez-vous jamais em vers?
— Ni ne me mouche.

— Sr. Mallarmé, o senhor não chora nunca em verso?
— Nem assoo o nariz.

Stéphane Mallarmé apud Charles Rosen in
Poetas Românticos, Críticos e outros Loucos.
Cotia/Campinas (SP): Ateliê/Unicamp, 2004 ズ


O VENDEDOR DE ALHO E CEBOLA

A insipidez da visita
Com alho posso depô-la.
A elegia ao choro hesita
Pouco se eu corto a cebola.

Mallarmé in Augusto de Campos, Décio Pignatari, Haroldo de Campos: ‘Mallarmé’,

por aly . 2:29 PM .

Sexta-feira, Fevereiro 10, 2012

Steinberg_Techniques222


O MUNDANO

Uma festa à Steinberg: reunidas num grande salão, personagens diversas
fumam e falam; fala e fumaça são a mesma coisa: tudo se confunde num
mesmo filactério que sai da boca e do dedo de cada um.

E como nenhum dos parceiros está isento desse apêndice expiratório,
dá-se um efeito agudo de repetição; e então entendo que o ser da
repetição é a mundanidade.

Roland Barthes: ‘All Except You: Saul Steinberg’
In Inéditos vol. 3 — Imagem e Moda.
São Paulo: Martins Fontes, 2005 ズ


“Como ocorre com frequência — já observamos —, Steinberg
não pode abster-se de zombar de sua técnica: como o contínuo do gesto
é seu princípio, de repente o gesto será interrompido sem continuar em
outro lugar: o desenho ficará inacabado, de uma maneira cuja maior
estranheza está no fato de que a figura, até onde termina, se dá como
definitiva pela própria perfeição.”
Roland Barthes, na obra supracitada,

por aly . 7:26 AM .

Quarta-feira, Fevereiro 08, 2012


Pina Bausch (direção e coreografia) ☆ ☾. * ‘O Lamento da Imperatriz’, 1990

por aly . 2:16 AM .

Quarta-feira, Dezembro 21, 2011

DE TERRY GILLIAN 。* 。
° 。 ° ˛˚˛ * _Π____*。*˚
˚ ˛ •˛•˚ */________/~\。˚ ˚ ˛
˚ ˛ •˛• ˚ | 田田 |門| •
'CARTÃO DE NATAL'





Chove. É Dia de Natal

Chove. É dia de Natal.
Lá para o Norte é melhor:
Há a neve que faz mal,
E o frio que ainda é pior.

E toda a gente é contente
Porque é dia de o ficar.
Chove no Natal presente.
Antes isso que nevar.

Pois apesar de ser esse
O Natal da convenção,
Quando o corpo me arrefece
Tenho o frio e Natal não.

Deixo sentir a quem quadra
E o Natal a quem o fez,
Pois se escrevo ainda outra quadra
Fico gelado dos pés.

Fernando Pessoa, in Cancioneiro,

por aly . 5:31 PM .

Sábado, Novembro 26, 2011

COM VCS: PINA BAUSCH!


por aly . 9:17 PM .

Terça-feira, Outubro 18, 2011

Mourir Auprès de Toi3333
VINHETA_MANOFRENTESpike Jonze: 'Mourir Auprès de Toi' (The Celebrated Filmmaker and
Designer Olympia Le-Tan Co-create a Tale to Pierce the Heart)


por aly . 9:32 PM .

Sexta-feira, Outubro 14, 2011

CatBird3333


O GATO E O PASSARINHO

A aldeia escuta desolada
o canto da ave maltratada.
É o único pássaro da aldeia
e foi o único gato da aldeia
que o devorou pela metade.
A ave deixa de cantar.
O gato deixa de roncar
e de lamber o próprio focinho.
A aldeia faz ao passarinho
maravilhosos funerais,
e o gato, que foi convidado,
segue o caixãozinho de palha
onde o pássaro se amortalha,
conduzido por uma menina
que não para nunca de chorar.
— Se soubesse que isso te faria sofrer tanto,
diz-lhe o bichano,
eu o teria comido todo
e te contaria, depois,
que ele havia batido asas,
batido asas para o fim do mundo,
para um lugar tão longe
que ninguém nunca voltou de lá.
Tu sofrerias muito menos,
só um pouquinho de tristeza
e outro pouquinho de saudade.
Nunca devemos fazer
as coisas pela metade.

Jacques Prévert in Carlos Drummond de Andrade:
Poesia Traduzida
. São Paulo: CosacNaif, 2011.

por aly . 3:09 AM .

Quarta-feira, Agosto 24, 2011

aly-Utagawa-Kuniyoshi-Woman Reading -222
'Mulher Lendo': por Utagawa Kuniyoshi (1797-1861)


A LEITURA

A leitura confere ao livro a existência abrupta que a estátua
"parece" reter do cinzel: esse isolamento que a furta aos olhos
que a veem, essa distância altaneira, essa sabedoria órfã que
dispensa tanto o escultor quanto o olhar que gostaria de voltar
a esculpí-la.

O livro tem, de um certo modo, necessidade do leitor para tornar-se
estátua, necessidade do leitor para afirmar-se coisa sem autor e
também sem leitor. Não é, de início, uma verdade mais humana que
a leitura lhe proporciona, mas tampouco faz dela algo de inumano,
um "objeto" uma pura presença compacta, o fruto da profundidade
que o nosso sol não teria amadurecido. Ela "faz" somente com que
o livro, a obra se torne — tornar-se — obra para além do homem que
a produziu, a experiência que nele se exprimiu e mesmo todos os
recursos artísticos que as tradições tornaram disponíveis.

O próprio da leitura, a sua singularidade, elucida o sentido singular do
verbo "fazer" na expressão "ela faz com que a obra se torne obra". A
palavra fazer não indica neste caso uma atividade produtora: a leitura
nada faz, nada acrescenta; ela deixa ser o que é; ela é liberdade, não
liberdade que dá o ser ou o prende, mas a liberdade que acolhe,
consente, diz sim, não pode dizer senão sim e, no espaço aberto por
esse sim, deixa afirmar-se a decisão desconcertante da obra, a
afirmação de que ela é — e nada mais.

Maurice Blanchot in O Espaço Literário.
Rio de Janeiro: Rocco, 1987 (excerto) ズ


"O próprio leitor é sempre profundamente anônimo, é, não importa
que leitor, único mas transparente. Não acrescentando seu nome ao livro
(como o faziam outrora os nossos pais), apagando, pelo contrário, todos
os nomes, por sua presença sem nome, por esse olhar modesto, passivo,
intermutável, insignificante, sob a leve pressão do qual o livro aparece
escrito, à margem de tudo e de todos."
Maurice Blanchot, na obra acima citada,

por aly . 9:30 PM .

Domingo, Julho 03, 2011

Ernst-Scheidegger- Giacometti-in-studio-1950
Alberto Giacometti em seu atelier: Paris, 1950 (Foto: Ernst Scheidegger)


À PROCURA DO ABSOLUTO

Ele sabe o que queria fazer e nós não o sabemos; mas sabemos
o que tem feito e ele ignora-o: mais da metade dessas esculturas
ainda estão presas à sua carne, é-lhe impossível vê-las: mal as
acaba, está já para além delas a sonhar com mulheres ainda mais
delgadas, ainda mais longas, ainda mais leves, e é graças à sua obra
que concebe o ideal em nome do qual a julga imperfeita. Isso nunca
acabará simplesmente por que um homem está sempre para além do
que faz. "Quando acabar", diz ele, "escreverei, pintarei, divertir-me-ei".
Mas morrerá antes de acabar.

Quem tem razão, ele ou nós? Ele, desde já, porque, como diz
Leonardo da Vinci, não é bom que um artista esteja contente.
Mas também nós — e em última instância. Kafka, no momento
da sua morte, queria que queimassem os seus livros, e Dostoiévski,
nos últimos tempos de sua vida, sonhava dar continuidade aos
Karamazov. Provavelmente, morreram um e outro com mau humor,
este pensando que não tinha ainda nada feito de bom, aquele
pensando que resvalaria para fora do mundo sem sequer o ter
arranhado. E, todavia, esses dois ganharam, para além do que
tinham podido pensar. Giacometti também; e ele sabe-o bem.

É em vão que Giacometti se agarra às suas esculturas como um avarento
ao seu dinheiro escondido; é em vão que ele retarda, temporiza, encontra
cem artimanhas para ganhar um pouco de tempo: os homens vão entrar
em sua casa, afastá-lo, levar todas as suas obras e até o gesso que
cobre o chão. Sabe-o, o seu ar de perseguido traiu-o: sabe que ganhou,
a despeito de si mesmo, e que nos pertence.

In Jean-Paul Sartre. Situações III.
Europa-América: Lisboa, 1971 (excerto) ズ


"Ao contrário do classicismo, Giacometti restitui às esculturas
um espaço imaginário e sem partes. Aceitando de chofre a
relatividade, encontrou o absoluto. É que ele foi o primeiro que
soube esculpir o homem tal como o vemos, isto é, à distância."
Jean-Paul Sartre na obra supracitada,

por aly . 10:56 PM .

Quarta-feira, Junho 15, 2011

OKwarhol-Chuck Wein -Edie2-1965-NY222
Andy Warhol, Eddie Sedgwick e Chuck Wein: NYC, 1965


MAX'S: A TÁVOLA REDONDA DE ANDY WARHOL

Em nossa primeira visita só chegamos até a primeira sala. Sentamos
em um reservado, dividimos uma salada e comemos intragáveis
grãos-de-bico. Robert (Mapplethorpe) e Sandy pediram coca. Eu tomei
café. O lugar estava meio morto. Sandy conhecera o Max's na época em
que ali era o centro social do universo alternativo, quando Andy Warhol
passivamente reinava na távola redonda com sua carismática rainha de
arminho, Eddie Sedgwik.

As damas de companhia eram lindas, e os cavalheiros que as rodeavam
eram gente como Ondine, Donald Lyons, Rauschenberg, Dali, Billy Name,
Lichtenstein, Gerard Malanga e John Chamberlain. Entre os que ainda são
lembrados hoje em dia. Àquela mesa já se sentara toda uma realeza, como
Bob Dylan, Bob Neuwirth, Nico, Tim Buckley, Janis Joplin, Viva e o Velvet
Underground.

Era uma mesa tão obscura e glamourosa quanto se podia desejar. Mas,
correndo pela artéria principal, a coisa que no fundo acelerava seu mundo
e depois os acalmava era o speed. A metanfetamina, que ampliava a paranoia,
roubava parte do poder natural, drenava a confiança e saqueava a beleza.

Andy Warhol já não estava por lá, nem sua alta corte. Andy já não saía tanto
desde de que Valerie Solanas atirara nele, mas também era provável que já
tivesse se tornado proverbialmente entediado. Apesar de sua ausência, no
outono de 1969, ali era o lugar aonde ir.

A sala dos fundos era o porto daqueles que desejavam uma chave para o
segundo reino prateado de Andy, muitas vezes descrito como um lugar de
comércio mais do que de arte.

In Patti Smith. Só Garotos.
São Paulo: Cia das Letras, 2011 (1ª reimpressão) ズ

"A chave da vida não é a riqueza do vivido, mas a capacidade
de tirar conclusões" Grotowski,

por aly . 2:02 PM .

Terça-feira, Maio 24, 2011


From the documentary Coffee with Pina (2006) by Lee Yanor

por aly . 8:26 AM .

Quarta-feira, Maio 18, 2011

Romy_Schneider_Will_Mcbride2
Foto de Romy Schneider por Will McBride: Paris, 1964


POEMA (1)

Meus mortos não estão encarapitados
no alto das árvores
não são eles que balançam
os galhos quando eu passo nos dias de calmaria
não estão debaixo da terra nem voam pálidos
sobre minha cabeça debaixo do céu azul
Aparecem nos sonhos e desaparecem
quando são cinco ou seis da manhã
meus mortos são covardes
não têm coragem
de viver.

5 Poemas de Simone Brantes in Inimigo Rumor — Revista de Poesia:
nº 20, junho 2008 ズ


"Quem sabe a morte, no fim
das contas, seja uma coisa muito
natural, quem sabe rejeitá-la
seja algo, quem sabe, bastante
estúpido, algo assim como, quem
sabe, fechar o livro predileto
uma página antes do final."
Simone Brantes, na revista supracitada,

por aly . 12:35 AM .

Quarta-feira, Abril 27, 2011

T. ENAMI-GUEIXA
Gueixa ㋦ Foto por T. Enami (1859-1929)


AS ANTIGAS DAMAS JAPONESAS

As antigas damas japonesas
Distraidamente
Agitavam seus leques
No solitário mundo dos biombos

A distração
Porém
É uma forma superior de ocultação
E
Na aridez
Do seu íntimo domado
O rugido da raiva
Estava contido
Artisticamente comprimido
No extravagante cinto
Que traziam
Atado nas costas

Tocavam
Dançavam
Serviam o chá de joelhos
Num secular sequestro

Mas às vezes
Num intervalo do desvelo
Da honra e do pudor
Descobriam
O esquisito sabor
Que tem o crime.

Poema de Ana Hatherly
In Sibila: Revista de Poesia e Cultura
Ano 3 :: nº 5 :: 2003


"O mundo não dá a ninguém inocência nem garantia."
Guimarães Rosa,

por aly . 5:14 PM .

Quarta-feira, Abril 06, 2011

Peter- Lorre- Yousuf-Karsh 1946
Foto de Peter Lorre por Yousuf Karsh, 1946


FUMANDO

Pergunto: porque é que os não fumadores
sobem sem escrúpulos aos compartimentos
para fumadores? Porque querem impôr-se? Porque
parecem sempre nauseados?

Cigarro, meu velho amigo.
Passei contigo mais tempo do que com qualquer outro.
Estamos-nos a destruir mutuamente, num cordial
compromisso.

Pergunto: porque não apreciam
a nossa solidão,
o nosso valor ingénuo, nosso
fogo, cinza?

Do poeta Marcin Świetlicki,

por aly . 2:00 AM .

Terça-feira, Março 29, 2011

STEINBERG_NYC_1969
Foto de Henri Dauman: Saul Steinberg, New York City, 1969

por aly . 3:07 AM .

Sexta-feira, Março 11, 2011

PARA PREGAR NA PAREDE

moderntimes3
Chaplin e Paulette Goddard em 'Tempos Modernos', 1936

"Se matamos uma pessoa somos assassinos. Se matamos
milhões de homens, celebram-nos como heróis."
Charlie Chaplin,

por aly . 7:02 AM .

Segunda-feira, Fevereiro 21, 2011

Todd McCellan-Apart_WindUpClock2
Todd McCellan: Apart Wind-Up Clock, 2010


Alegoria de Renascimento: a Experiência Florentina (excerto)

Em 1475, os Medici receberam uma máquina encomendada a um artesão: um
relógio. Marsilio Ficino o interpreta duplamente, como alegoria explicativa do
próprio procedimento de interpretação alegórica, e como alegoria do universo.

O relógio é alegoria do cosmos porque em sua forma visível se intui Deus, círculo
espiritual cujo centro está em toda parte e cuja circunferência não se acha em
nenhuma. Alegoria sensibilizadora, o relógio é também um exemplo de intelecção
humana da arte, segundo Ficino, nos seguintes termos: não se pode compreender
como uma obra de arte foi feita por um artista se não se possui também, em mesmo
grau, a inteligência artística. O intérprete é movido pela simpatia, que é um 'sentir
junto'

Se consegue chegar a tal compreensão graças a correspondência da inteligência,
poderá também, depois de descobrir o mecanismo da obra, reproduzi-la, desde que
tenha a matéria adequada para fazê-lo.

Todos os homens são relojoeiros, desde que compreendam o mecanismo
e tenham a matéria adequada para produzi-lo. O relógio, contudo, também
alegoriza o universo, nele espelhado.

In João Adolfo Hansen. Alegoria: Construção e Interpretação da Metáfora
São Paulo: Hedra/Unicamp, 2006 ズ


Uma adivinha portuguesa:

"Qual é a cousa, qual é ela,
Que faz coisas mui sentidas
E mesmo sem se mover
Orienta as nossas vidas?",
por aly . 9:32 PM .

Sábado, Fevereiro 12, 2011

Ernest-Affiche


"A vida não imita a arte, a vida imita os piores programas de televisão."
Woody Allen,

por aly . 2:54 AM .

Quinta-feira, Fevereiro 03, 2011

ORIGINAL-FAKE2
(Logofake de autoria desconhecida)

por aly . 12:04 PM .

Domingo, Janeiro 23, 2011

PICASSO22
Pablo Picasso: Paris, Galllimard, 1945


DICCIONARIO SECRETO
Por Camilo José Cela (Vol. III)
Madrid: Alianza/Alfaguara,1974


Viga
Es metáfora formal em óptimo señalamiento
(la pija semeja una viga).
Pija.

Samaniego, El Panadizo, vs. 97-104, en
D.T.H. de T. Cuentos diversos, pp. 57-58:

Pero Juana al sentirse
apenas embestida,
le dice ¡Ay Dios! ¡Qué dedo!
¡Qué gordo! No hay cabida.
Por Dios no me lo meta,
padre, que me aniquila.
Pasito... ¡Virgem santa!
Ya lo metió... ¡Qué viga! ズ

Sobre Saminiego, aqui,

por aly . 10:49 PM .

Quinta-feira, Janeiro 13, 2011

ROLAND-BARTHES-CIRCA-1970
Roland Barthes, circa 1970


O estágio do espelho: "tu és isto."

Mas eu nunca me pareci com isto!

— Como é que você sabe?

Que é este "você" com o qual você
se pareceria ou não? Onde tomá-lo?
Segundo que padrão morfológico ou
expressivo? Onde está seu corpo de
verdade? Você é o único que só pode
se ver em imagem, você nunca vê seus
olhos, a não ser abobalhados pelo olhar
que eles pousam sobre o espelho ou sobre
a objetiva (interessar-me-ia somente ver
meus olhos quando eles te olham):
mesmo e sobretudo quanto a seu corpo,
você está condenado ao imaginário.

In Roland Barthes por Roland Barthes
São Paulo: Cultrix, 1977
Tradução: Leyla Perrone-Moisés ズ


“Encontro pela vida milhões de corpos; desses milhões posso desejar centenas;
mas dessas centenas, amo apenas um. O outro pelo qual estou apaixonado me
designa a especialidade do meu desejo" Roland Barthes,

por aly . 5:00 PM .

Quinta-feira, Dezembro 30, 2010

NOUVELLE-CUISINE-GEEK-2
NOUVELLE CUISINE (GEEK)

por aly . 4:38 PM .

Segunda-feira, Dezembro 20, 2010

Julian-Murphy-Clothes Peg 2-1998
De Julian Murphy: Prendedor de Roupa, 1998


"Nous lézards aimons les Muses
Elles Muses aiment les Arts
Avec les Arts on s'amuse
On muse avec les lézards"
Queneau: Les Ziaux,

por aly . 8:50 PM .

Segunda-feira, Dezembro 13, 2010

Norman- Rockwell- The-Art-Critic-1955-
De Norman Rockwell: The Art Critic, 1955


"Faz-se crítica quando não se pode fazer arte, como quem se torna
delator quando não se pode ser soldado." Flaubert, Correspondance,

por aly . 12:40 AM .



Tudo cabe, mesmo o descabido.
A vida não é um armário.





Desde
14 novembro 2002



falar comigo



Blogues

almanaque
almocreve das petas
aquí me quedo
aqui tem coisa
armazém periscópio
arte_facto [hereges perversões]
assaz atroz
a terceira noite
atire no dramaturgo
a vez do peão
blog do emir
balaio do kotscho
biscoito fino
bloWg
b-site
caderno de saramago
castorphoto
clave do sul
cid marcus
conexaobuenosaires's blog
controvérsia
da literatura
diário gauche
do arco da velha
dudi
escrevinhador
ferréz
fotocafé
frenesi::livros
gramatologia
grupo beatrice
icamiaba
inmanencia
insônia
lourenço mutarelli
luís nassif blog
marcio périgo
ma-schamba
meditação na pastelaria
memória inventada
miniscente
mol-taGGe
na periferia do império
nas retinas
naxos
nei lopes
observador
o cheiro dos livros
óleo do diabo
olhos livres
o silêncio dos livros
paraty em foco
pimenta negra
porto::lisboa
Poesia & Lda.
pouco-pouco
prosa caótica
que cazzo!!
quem tem põe, quem não tem baixa
república do café
riobaldo & diadorim
roserouge absolutely
rua da judiaria
san pablo - SP
sapoti da japaranduba
sem pénis, nem inveja
sheila leirner
silvia chueire
sorry periferia
tapornumporco
teresa-torga
tijolaço de brizola neto
um postal para um amigo
varal de ideias
vigna-marú
vi o mundo
xico sá
who killed bambi?



Links

acervo hermínio bello de carvalho
adital
antroposmoderno
artemeditada
asdfg, menezes
beijo da rua
bloco lira da vila
blogmarks
blue bus
brasil de fato
brasilian music
caros amigos
carta capital
carta maior
CEMA ◙ Barão de Itararé
choque cultural
cifra antiga
cinefagia
cinética – cinema & crítica
contracampo
contratiempo
conversa afiada
correio da cidadania
cosac & naif
cronópios
delicious cimatti's bookmarks
digestivo cultural
direto da redação
ejército zapatista de liberación nacional
fausto wolff
gafieiras
internet archive
henciclopedia
jangada brasil
júlio medaglia
la fogata
la gauche
la haine
la insignia
la jornada
marxists internet archive
mídia latino-americana
minguante
musica brasiliensis
novae
obvious
opera mundi
operaleaks
página/12
philippe sollers
plínio marcos
projeto releituras
PUCMinas
rebelión
repórter brasil/combate à escravidão
resistir
revista fórum
revuelta
rue89
samba & choro
㋨ sibila: poesia e cultura
sin permiso
+ soma
sul 21
todo tango
ubu web
ver O poema
voltaire net
WebUrbanist
zezão



Arquivos




Letteri Café
at
The Ten Best Art
And Culture Websites
In The World by
Spank The Monkey





template:
Rossana Fischer